Vi no meu telemóvel | 1 Dezembro 2017

Arte e telemóveis, e muita inteligência artificial. As máquinas vão olhar para nós e ser capazes de aprender. E as maleitas de um jornalista à chuva. É o que “Vi no meu telemóvel“ esta semana… apesar das tosses. E não se esqueçam, é no site que se subscreve para não perder nenhum destes, e as reportagens na SIC, e os textos na Visão, e o mais que houver.

Substituto artístico do smartphone

Bonito é mas não faz nada. Ou antes, faz pensar que já é uma grande coisa. Substituto artístico do iPhone, Lourenço Medeiros, Vi no meu telemóvel
Bonito é mas não faz nada. Ou antes, faz pensar que já é uma grande coisa.

É arte, e tem uma crítica implícita. Cada um pode ler como quiser estas peças que nos permitem simular os gestos que usamos nos telemóveis, mas não fazem mais nada. Cada peça permite simular um gesto diferente. Klemens Schillinger Studio for Design

App gratuita para seguir a Estação Espacial

É impressionante vê-la lá em cima, mesmo quando só distinguimos um ponto de luz em grande velocidade. Estação Espacial Internacional. Lourenço Medeiros, Vi no meu telemóvel
É impressionante vê-la lá em cima, mesmo quando só distinguimos um ponto de luz em grande velocidade.

Tenho uma mania. Tentar ver a Estação Espacial Internacional sempre que posso. É só um ponto de luz no céu, que se distingue facilmente de todos os outros, mas fico sempre fascinado a pensar em toda a tecnologia, e coragem,  que é necessária para manter este laboratório lá em cima a viajar a 28 mil Km por hora. Apesar da velocidade e de fazer órbitas sucessivas é necessário saber quando e a que horas vai passar. Eu uso os alertas da Nasa que podem encontrar no link aí abaixo, uso bússolas, no telemóvel claro, e programas de observação de estrelas para me ajudar a encontrar atempadamente uma boa oportunidade de observação. Descobri agora uma nova aplicação gratuita Satellite Tracker para iOS cheia de funcionalidades interessantes, permite até saber quem exatamente lá está quando passa sobre nós. Tem um aspecto irritante que é uma tendência. Para nos dar mais funcionalidades, como seguir grande parte dos satélites que andam por aí pede não um pagamento mas uma subscrição. São normalmente pagamentos baratinhos mensais mas eu não estou disposto a acumular dezenas de pequenas subscrições. Mas a parte da Estação Espacial Internacional é simpaticamente gratuita.

Câmara inteligente da Amazon

É um princípio. Em breve vamos achar normal que há segunda vez que passamos por ela, uma máquina nos trata pelo nome. Com tudo o que isso implica. Câmara inteligente da Amazon, Lourenço Medeiros, Vi no meu telemovel
É um princípio. Em breve vamos achar normal que há segunda vez que passamos por ela, uma máquina nos trata pelo nome. Com tudo o que isso implica.

A Amazon é muito mais do que a loja a que estamos habituados. A Amazon Web Services tem uma série de produtos empresariais. Lançou uma série de inovações e ideias e uma delas é esta câmara que vem com sistema de Deep Learning. A ideia é ensinar os programadores a usar Machine Learning. Podem aprender a usar coisas como a capacidade de reconhecer e distinguir objetos, deteção de objectos, transformar o estilo de uma imagem, reconhecimento de ações e claro deteção facial. A DeepLens, é assim que se chama, não é destinada ao grande público mas é daquelas ferramentas que pode vir a fazer muita diferença nas nossas vidas, se os alunos se aplicarem a criar coisas novas com o que aprendem. Com ela os programadores podem começar a criar máquinas e programas, capazes de nos ver, de ver o que os rodeia, e a aprender com o que vêem.
Veja mais AQUI

Alexa for business

Esta não é a minha casa mas a ligação é assim. A foto é da Amazon. Alexa for business, Lourenço Medeiros, Vi no meu telemóvel
Esta não é a minha casa mas a ligação é assim. A foto é da Amazon.

Não é suposto, porque não existe o serviço, nem se vendem os aparelhos em Portugal. Mas eu uso dois Echo Dot em casa. Isto quer dizer que posso pedir para apagar ou acender determinadas luzes, posso pedir para tocar música (estão só dois ligados a aparelhagens com som decente) posso pedir a meteorologia ou as notícias só com voz. Digo  “Alexa toca jazz”, ou  “Alexa toca …. uma música específica” e começo a ouvir. Tenho é que falar em inglês e os serviços não estão adaptados a Portugal, mas eu sabia o que estava a fazer quando os comprei. Tudo isto para contar que, vi no meu telemóvel, que na mesma conferência da Amazon Web Services foi anunciado um serviço de Alexa para empresas, entre muitas outras coisas podemos dizer apenas – Alexa, liga ao Luís. E daí a segundos estamos a falar, ou mesmo a ver, o Luís. Fará muito mais coisas como tratar da nossa agenda e não é ficção, o serviço já tem preços e tudo.
Veja mais AQUI

A caminho da cura

O Rui com uma câmara de TV normal, e um fotógrafo a usar o Huawei Mate 10 Pro, com lentes Leica, Lourenco Medeiros, Vi no meu telemóvek
O Rui com uma câmara de TV normal, e um fotógrafo a usar o Huawei Mate 10 Pro, com lentes Leica

Não é dos maiores “Vi” mas foi uma semana agitada, com um fim chato. Fui à sede da Leica na Alemanha com o Rui do Ó e um grupo simpático perceber melhor como é esta coisa da ligação da marca com o Huawey a propósito do Mate 10 Pro. Um dia deste ponho aqui as minhas impressões.

As condições de trabalho, o que nós fazemos para falar de tecnologia, Lourenço Medeiros, Vi no meu telemóvel,
As condições de trabalho, o que nós fazemos para falar de tecnologia

Resultado, não uma simples gripe mas uma bela duma infecção pulmonar que me fez fazer estas figuras. Mas estou tratado e já está a ir ao sítio.

Antibióticos, aerossóis, e mais umas coisas, maravilhas da ciência que nos curam num instante 🙂

Já agora enquanto não mostro os mercados de Natal posso deixar o link para a reportagem que fiz sobre a fábrica onde se fazem grande parte das máquinas da Leica e muito mais, e sim é mesmo em Portugal.
Veja a reportagem AQUI

  • Subscrever Blog via email

    Indique o seu endereço de email para subscrever este site e receber notificações de novos artigos por email.

Deixar uma resposta