Português quer resolver o frio das nossas casas

Sinergy Force, uma fachada que é um protótipo. Lá dentro está bem quentinho. Solução portuguesa para resolver o problema do frio das nossas casas.
Sinergy Force, uma fachada que é um protótipo. Lá dentro está bem quentinho.

Uma empresa nacional tem uma solução para melhorar a energia solar térmica e resolver o problema do frio das nossas casas.  Construiu todo um edifício para mostrar como podemos estar quentinhos gastando muito menos energia, e euros.

Veja a reportagem AQUI

  • Subscrever Blog via email

    Indique o seu endereço de email para subscrever este site e receber notificações de novos artigos por email.

 

2 comentários em “Português quer resolver o frio das nossas casas”

  1. Em França uma boa parte dos construtores de casas são portugueses e as casas são muito bem construídas. Ao ponto de quase nem ser preciso aquecimento. Uma vez mais acho que o problema está na política nas regras de construção (que não há em Portugal) e nos níveis de qualidade ( incluindo casas no valor de meio milhão . Em Portugal “país tropical” qualquer porcaria está boa e o preço e bem caro. No final quem compra e que sofre. Já para não falar que em Paris o preço da eletricidade e muito inferior a de Lisboa. Só depois de viver no Japão e em Paris e que se vi a diferença de qualidade de vida que outros países oferecem em pequenas coisas. Como por exemplo a qualidade da casa onde habitamos e o facto decpodermos ligar o aquecimento todos os dias se quisermos sem pensar que no final do mês vamos pagar 200euros de conta. Regas impostas pelo governo e legislação era capaz de ajudar!

    1. Sim, por outro lado aqui queixam-se de demasiadas regras… como sempre. Será que não são as regras certas, será que não são cumpridas. O facto é que passo menos frio em casas modestas em certos países… nem poderia ser de outra forma. Mas vi recentemente um estudo (melhor do que a minha experiência ) que falava precisamente do “conforto energético”. Não tem que ver com gastar muito, tem que ver com o “conforto” conseguido. E se bem me lembro (não tenho aqui o estudo) Portugal estava muito mal classificado. Não soou especialista não tenho respostas mas é óbvio que temos que melhorar muito. Cumprimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *